...
 
Buscar

Instituto Cactus: 1 ano de aprendizados em saúde mental



São Paulo, 3 de agosto de 2020, segunda-feira de um Brasil em pandemia: após um longo período gestando uma proposta inovadora, a investidora social Maria Fernanda Resende Quartiero funda o Instituto Cactus, organização que já transforma o futuro da sociedade brasileira por meio da saúde mental.


A data do nascimento formal de nossa organização é um marco que merece ser celebrado não apenas pela urgência da proposta ousada de nossa fundadora - ousada não apenas por iniciar nossas atividades em meio ao colapso de uma pandemia global, mas pela aposta em abordar saúde mental, um tema ainda tão estigmatizado e pouco falado.


Essa escolha aconteceu ainda no período de gestação dessa ideia, quando Maria Fernanda identificou uma lacuna de investimento social no Brasil. Para ela, toda transformação social tem como base o indivíduo e, então, como seria possível falar do indivíduo sem falar da sua saúde mental? Este debate se tornava ainda mais necessário por sua transversalidade com tantas outras esferas da vida: não podemos negar que a saúde mental está em todos os lugares, mesmo que silenciosamente. O fator de urgência é que esse assunto não pode mais esperar, temos que romper o silêncio e dar a devida atenção: precisamos falar sobre saúde mental.


Sabemos que mesmo que o sofrimento seja igual a todas as pessoas, os impactos são diferentes, por isso precisamos considerar os determinantes sociais que atravessam o tema, como acesso à educação, moradia, alimentação, trabalho, transporte, cultura etc. Esses determinantes sociais afetam a forma com que cada um de nós entendemos e lidamos com saúde mental, por isso precisamos atuar com olhares segmentados. Nesse sentido, fizemos outra aposta institucional: começar olhando, especialmente, para a saúde mental de mulheres e adolescentes, públicos ainda negligenciados no campo da saúde mental. Também decidimos que era hora de ser pró-ativo e parar de “apagar incêndios”. Decidimos que era hora de falar sobre prevenção e promoção.


Nos nossos primeiros meses de vida nos dedicamos ao que é necessário nessa fase: contato, escuta, observação e busca por referências sobre nosso campo e nossos públicos alvo. Firmamos o corpo do Instituto e começamos a nos virar para todos os lados a fim de entender o que, quem e quem já está atuando em todas as pontas dessa grande área. Conversamos com outras organizações da sociedade civil, pesquisadores, instituições públicas e privadas e diversos mobilizadores do ecossistema da saúde mental no Brasil. Fizemos um levantamento de fôlego, o Caminhos em Saúde Mental, produzido em parceria com o Instituto Veredas para embasar essa decisão e também pavimentar e inspirar o caminho de outros atores engajados no tema da saúde mental.


Com o tempo, conseguimos elaborar e manifestar nossas vontades, no que apostamos e o que queremos fazer para alcançar nosso ousado objetivo de instrumentalizar a sociedade para lidar com saúde mental. À medida que entramos em contato com parceiros e entendemos com mais profundidade as complexidades dessa pauta, afinamos nossa compreensão sobre os desafios que nos esperam e também consolidamos nosso encantamento em atuar em uma causa tão poderosa: atuar com saúde mental de mulheres e adolescentes é potencialmente transformador e os benefícios são para toda a sociedade.


Nosso processo de descoberta foi apoiado em evidências e sempre partindo da premissa de que erros levam a aprendizados, ou a chamada “mentalidade de crescimento”, uma “herança” da trajetória de Maria Fernanda na filantropia. Sobre os desafios e possíveis erros do futuro, Maria Fernanda é otimista. “Como uma organização pioneira em saúde mental, nem sempre será possível acertar, mas podemos minimizar erros quando reconhecemos pontos fracos e temos humildade de começar novamente, ajustando o que é preciso a partir de avaliações do nosso impacto”.


Nos perguntamos quase diariamente, qual é, então, a definição de saúde mental que reflete toda a complexidade e profundidade deste conceito, mas que tenha a simplicidade de se comunicar com todas as pessoas. Evoluímos no conceito de que saúde mental não pode almejar apenas somente o bem-estar e a qualidade de vida, sob o risco de gerarmos uma positividade tóxica e cairmos em uma visão funcionalista e individualista que propaga a ideia de que felicidade é uma escolha individual, algo que “só depende de você”, e faz com que as pessoas estejam sempre em busca de um estado de felicidade inalcançável. Defendemos, hoje, um conceito mais amplo de saúde mental: é a aptidão para estar, ser e conviver que envolve diversos fatores como reconhecer as emoções, poder conviver em comunidade, poder estar consigo e com o outro, seja no bem estar, seja no mal estar - é o “saber estar”.


Demos nossos primeiros passos consolidando o conselho consultivo e estruturando nossos primeiros projetos, sempre em parceria com outras organizações porque entendemos que articulação em rede é fundamental. Com a Impulso.Gov, estamos realizando um projeto para definir os principais indicadores de serviços de saúde mental públicos e avaliá-los com o objetivo de apresentar soluções para o serviço da Rede de Atenção Psicossocial do SUS. Com a Casa de Marias, organização de escuta e acolhimento de mulheres, estamos promovendo um projeto de atendimento psicológico emergencial para mulheres em situação de vulnerabilidade. Também somos uma das organizações signatárias da campanha Pilares, iniciativa de alerta para a importância de cuidar da saúde mental dos educadores na volta às aulas.


De lá pra cá, a equipe aumentou e começamos a nos mostrar publicamente. Já cedemos várias entrevistas, assinamos artigos, participamos de eventos e começamos a construir nossa narrativa sobre saúde mental em nossos canais oficiais.


E então fizemos 1 ano. Nesse tempo, nunca se falou tanto em saúde mental: o assunto virou pauta de notícias do entretenimento até nos jogos olímpicos. A demanda pelo assunto está posta, agora precisamos continuar a mobilizar os atores e recursos necessários debater abertamente e de forma aprofundada para transformar o cenário da saúde mental no Brasil. O desafio é grande, sabemos, mas o Instituto Cactus está preparado para isso, já tivemos a ousadia necessária para começar e temos a vontade, energia e recursos para continuar um processo de amadurecimento institucional que certamente irá impactar a vida de muitas pessoas por meio dos projetos que apoiamos e promovemos.


É chegada a hora de apagar as velas, e dar-se um momento de pausa e reflexão intencional sobre essa trajetória, sempre conscientes de onde queremos chegar. Vida longa ao Instituto Cactus!